//Ganha força discussão sobre reajuste salarial para 2022
Arthur Oliveira Maia, relator da reforma administrativa, e o ministro Paulo Guedes / Foto: Câmara

Ganha força discussão sobre reajuste salarial para 2022

Compartilhe

Categorias da União, do Estado e municípios querem garantir recomposição após período de congelamento

Anajus Notícias
26/7/2021

O funcionalismo federal avalia que, de acordo com o orçamento para 2022, há possibilidade de correção salarial. Diante disso, os servidores pretendem agendar reuniões com a equipe econômica do governo para tratar do assunto.Em âmbito federal, a revisão das remunerações dos servidores públicos ativos, aposentados e pensionistas já vem sendo defendida nas assembleias de entidades do setor. Em uma delas, realizada no último dia 13 pelo Fórum Nacional das Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), especialistas no tema apontaram espaço no orçamento para reajuste de até 8%.Mesmo proibidos por decisão do Supremo Tribunal Federal, que no início deste ano manteve o congelamento de salários para servidores públicos, há prefeituras com promessa de que o congelamento será suspenso logo no início de janeiro de 2022.Salário será maior com digitalização, diz GuedesSegundo o jornal O Dia, o ministro da Economia, Paulo Guedes, vem defendendo a digitalização como forma de modernizar a máquina pública, e também como um fator que possibilitará aumentos salariais. Em contrapartida, o governo não sinaliza com uma capacitação em massa de todos os servidores públicos, preferindo-se defender a ampliação de cargos comissionados, como avalia a Anajus (Associação Nacional dos Analistas do Poder Judiciário e do Ministério Público da União).SSegundo Guedes, a solução para repor cargos vagos não é a realização de concursos públicos, mas sim digitalizar os serviços. Em audiência da comissão especial da Câmara que analisa a PEC 32, em 7 de julho, o ministro chegou a declarar que, se todo ano o governo “ficar contratando por concursos públicos 20, 30 mil pessoas”, não haverá como aumentar salários. “Se botar tecnologia, a produtividade é maior e salário pode ser maior”, afirmou, segundo o jornal.