//Reforma da Previdência terá duas regras de transição para servidores

Reforma da Previdência terá duas regras de transição para servidores

Compartilhe

Atualmente, os servidores já têm uma regra mais rígida para se aposentarem. A reforma de Previdência prevê dois tipos de transição.

RAFAEL MIRANDA – EDITAL CONCURSOS
11/08/2019 – Foto: Pillar Pedreira (Agência Senado)

Para os atuais servidores públicos, a reforma de Previdência prevê dois tipos de transição. Elas sempre envolvem o aumento da idade e do tempo de contribuição.

Atualmente, os servidores já têm uma regra mais rígida para se aposentarem. É necessário 60 anos de idade e 35 anos de contribuição para homem. Para mulheres são 55 anos de idade e 30 anos de contribuição.

Além disso, aqueles que estão na transição de reformas anteriores devem contar com 20 anos no serviço público. Também devem ter dez anos na carreira e cinco no cargo em que se aposentarem.

Com o substitutivo do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), todos os servidores atuais, independentemente de terem entrado antes ou depois da última reforma (2003), seguirão a mesma regra de transição.

O servidor federal terá de contar com 61 anos de idade e 35 anos de contribuição, se homem. Já as mulheres podem se aposentar com 56 anos de idade e 30 de contribuição.

Terá ainda de contar com uma soma da idade e do tempo de contribuição equivalente a 86 para mulher e 96 para o homem. A partir de 1º de janeiro de 2020, a exigência dessa soma aumenta anualmente em um ponto. O valor chegará a 100 para a mulher e a 105 para o homem.

Em janeiro de 2022, a idade mínima também sobe para 57 anos (mulher) e 62 anos (homem).

Pedágio

A segunda opção de transição aplica-se àquele para quem faltam poucos anos para se aposentar. As idades (57 ou 61) e os tempos de contribuição (30 ou 35) são iguais à mesma regra de transição aplicada ao Regime Geral. Entretanto, os servidores continuam a ter de cumprir 20 anos no serviço público e 5 no cargo em que se aposentar.

Já o pedágio será de 100% do tempo que falta para atingir os anos de contribuição. Assim, se faltarem dois anos, a pessoa terá de cumprir quatro no total: dois até chegar ao tempo normal exigido e mais dois de pedágio.

Professores

Na transição por pontos, a regra diferenciada para professor segue o padrão geral do INSS. Reduz-se em cinco anos a idade, o tempo de contribuição e a soma. Dessa forma, para uma professora (educação infantil ou ensino básico), a idade inicial será de 51 anos, com 25 de contribuição e 81 pontos na soma.

Em 2022, a idade sobe para 52 anos (mulher) e para 57 anos (homem). A partir de 2020, a soma exigida também cresce um ponto a cada ano até ficar em 92 pontos para a mulher (em 2030) e em 100 pontos para o homem (em 2028).

Para aqueles que escolherem a transição com pedágio de 100% do tempo de contribuição faltante, a idade será diminuída em dois e a contribuição em cinco anos.

Portanto, a professora poderá se aposentar com 55 anos de idade e 25 de contribuição mais o pedágio. O professor se aposentará com 58 anos de idade e 33 anos de contribuição mais o pedágio.

Os valores de cálculo dos proventos seguirão a mesma regra adotada para cada uma das opções de transição (pontos ou pedágio).

Para ver a notícia na fonte, clique AQUI